Aqui apresentamos, uma grande oportunidade de estudar os chacras, conhecendo profundamente o funcionamento, as conexões e também a cura para diversas situações energéticas. A sequência dos textos foi elaborada pelo prof. Wagner Borges, o qual inidicamos seus cursos pelo teor sério, profundo e bem humorado com que ele aborda este assunto.

OS CHACRAS

Chacras do sânscrito – são os centros de força situados no corpo energético e que têm como função principal a absorção de energia – prana , chi – do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.

Os principais chacras, que estão conectados com as sete glândulas que compõe o sistema endócrino, são sete: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico. Suas características básicas são as seguintes:

SÍNTESE

Chacra Coronário – é o centro de força situado no topo da cabeça, por onde entram as energias celestes. É o chacra responsável pela expansão da consciência e pela captação das idéias elevadas. É também chamado de chacra da coroa. Em sânscrito, o seu nome é Sahashara, o lótus das mil pétalas. Está ligado à glândula pineal.

Obs.: A pineal é a glândula mais alta do sistema endócrino, situada bem no centro da cabeça, logo abaixo dos dois hemisférios cerebrais. Essa glândula está ligada ao chacra coronário, que, por sua vez, se abre no topo da cabeça, mas tem a sua raiz energética situada dentro dela. Devido a essa ligação sutil, a pineal – também chamada de epífise – é o ponto de ligação das energias superiores no corpo denso e, por extensão, tem muita importância nos fenômenos anímico-mediúnicos, incluindo nisso as projeções da consciência para fora do corpo físico.

Chacra Frontal – é o centro de força situado na área da glabela, no espaço espiritual interno da testa. Está ligado à glândula hipófise – pituitária – e tem relação direta com os diversos fenômenos de clarividência, intuição e percepções parapsíquicas. É o chacra da aprendizagem e do conhecimento. Em sânscrito, ele é conhecido como Ajna, o centro de comando.
 

Chacra Laríngeo – é o centro de força situado em frente da garganta. É o responsável pela energização da boca, garganta e órgãos respiratórios. Está ligado à glândula tireóide. Bem desenvolvido, facilita a psicofonia e a clariaudiência. É considerado também como um filtro energético que bloqueia as energias emocionais, para que elas não cheguem até os chacras da cabeça. É o chacra responsável pela expressão criativa – comunicação – do ser humano no mundo. O seu nome em sânscrito é Vishudda, o purificador.

Chacra Cardíaco – é o centro de força responsável pela energização do sistema cárdio-respirató rio. É considerado o canal de movimentação dos sentimentos. Por isso, é o chacra mais afetado pelo desequilíbrio emocional. Bem desenvolvido, torna-se um canal de amor para o trabalho de assistência espiritual. Está ligado à glândula timo. O seu nome em sânscrito é Anahata , o inviolável, o invicto, o som sutil do espírito imperecível.

Chacra Umbilical – é o centro de força abdominal, responsável pela energização do sistema digestório. Está ligado ao pâncreas. É considerado o chacra das emoções inferiores. Quando está bloqueado, causa enjôo, medo ou irritação. Bem desenvolvido, facilita a percepção das energias ambientais. É chamado em sânscrito de Manipura, a cidade das jóias.

Chacra Sexual – é o centro de força responsável pela energização dos órgãos sexuais. Está ligado às gônadas: testículos no homem; ovários na mulher. Quando está bloqueado, causa impotência sexual ou desânimo. Quando super-excitado, causa intenso desejo sexual. Bem desenvolvido, estimula o melhor funcionamento dos outros chacras e ajuda no despertar da kundalini . É o chacra da troca sexual e da alegria. O seu nome em sânscrito é Swadhistana; a morada do eu – ou morada do sol; ou a morada do prazer.

Chacra Básico – é o centro de força situado na área da base da coluna. É o responsável pela absorção da energia telúrica e pelo estímulo direto da energia no corpo e na circulação do sangue. Está ligado às glândulas supra-renais e tem relação direta com os fenômenos bionergéticos e parapsíquicos oriundos da ativação da kundalini. O seu nome em sânscrito é Muladhara, a base e fundamento do corpo.


Sobre a questão da kundalini, esse é um tema complexo demais para ser descrito nesse artigo. O seu estudo envolve o conhecimento aprofundado dos chacras, dos nádis que correm ao longo da coluna - ida, pingala e sushumna -, e das glândulas endócrinas, bem como um conhecimento básico dos yantras e bijas-mantras específicos para sua ativação.

Kundalini - do sânscrito - significa literalmente "enroscada". Esse nome deve-se ao seu movimento ondulatório que lembra o movimento de uma serpente. Daí a expressão esotérica "fogo serpentino". Ela também é chamada pelos iogues de "Shakti" - do sânscrito - a força divina aninhada na base da coluna.

Kundalini nada tem a ver com o sexo diretamente, muito embora seja a energia que ativa e vitaliza a sexualidade. Devido à prática de exercícios tântricos que envolvem a contenção do orgasmo, quando esse conhecimento chegou ao Ocidente foi logo desvirtuado. Hoje, esse tema surge associado a rituais e posturas sexuais aqui no Ocidente. No entanto, o despertar da kundalini é um processo puramente espiritual e energético em essência. Envolve a ativação dos chacras, principalmente do chacra cardíaco, que equilibra e distribui corretamente o fluxo ascendente da shakti ao longo dos nádis. Não significa acender um foguete esotérico no traseiro e decolar pelos nádis ao longo da coluna, como muita gente imagina. "Acender" não significa necessariamente "ascender".

Particularmente, não gosto do processo de despertar da kundalini que é feito por grupos esotéricos ocidentais. Prefiro o trabalho mais energético e naturalista do Yoga.

Obs.: Aqui não estão relacionados os chacras secundários, incluindo nisso o chacra esplênico, em cima do baço. Para mais detalhes sobre isso, favor ver o texto “Chacras e Bijas-Mantras” -, postado no site do IPPB – www.ippb.org. br -, no seguinte endereço específico: http://www.ippb. org.br/modules. php?op=modload&name=News&file=article&sid=1377

 

Para saber mais informações sobre o excelente trabalho do professor Wagner Borges acesse o site www.ippb.org.br

CHACRAS E CURA PSÍQUICA
por Wagner Borges

Há traumas que estão gravados na psique, de forma inconsciente, mas ativa, causando bloqueios e fobias. Isso ocorre no corpo sutil e se reflete no corpo denso.

Os chacras* guardam informações preciosas sobre esse processo. Cada um deles é um pequeno portal psíquico e energético, refletindo as condições do Ser.

Existem diversas alternativas para tratar essas síndromes psíquicas:

- Visualizações criativas, terapias descondicionantes, tratamentos psíquicos adequados, meditações, conversas profundas com terapeutas corretos - com a abordagem mais adequada ao temperamento da pessoa -, rituais de quebra do passado, técnicas retrocognitivas - regressões de memória -, ou práticas espiritualistas - xamânicas, naturalistas, animistas, mediúnicas, iogues e outras em que a pessoa se sentir bem.

O que não se pode fazer é deixar o problema de lado, pois os bloqueios interferem diretamente na vida da pessoa. É preciso correr atrás de soluções, para devolver o brilho dos olhos e o tesão de viver.

No entanto, por melhor que seja o caminho escolhido nessa busca pela cura, o processo é sempre dentro da psique da própria pessoa. A cura reside nela mesma.

Técnicas e terapias são ferramentas de fora; ajudam muito, principalmente em momentos de crises. Mas são alternativas de fora e valem como meio para se chegar ao verdadeiro alvo: a própria psique.

Uma das técnicas alternativas sugeridas pelos sábios espirituais da antiga Índia é o mergulho consciente nos chacras. Entrar psiquicamente neles, de um em um, desde a base da coluna até o centro coronário, no alto da cabeça.

Considerar cada chacra como um portal sagrado em si mesmo. Entrar por eles com respeito e admiração, como se entra num templo espiritual. Com amor e paciência, orar dentro de cada um deles. Procurar localizar qual é a fonte do problema e saber calcular qual é o chacra a ser trabalhado mais especificamente na cura em questão.

Por exemplo: bloqueio sexual: chacra sexual. / bloqueio afetivo: chacra cardíaco. / bloqueio de expressão: chacra laríngeo; e assim por diante.

Há casos em que mais de um chacra estão envolvidos; por isso é bom trabalhar todos regularmente, da melhor forma que a pessoa se adequar e se sentir bem. O importante é entrar neles com amor e paciência. Nada ocorre do acaso ou sem trabalho. Tudo demanda tempo e esforço. É necessário constância e qualidade no trato com as energias sutis.

Não é apenas encher os chacras de luz ou cores, ou mesmo realizar alguma técnica bioenergética; é preciso trabalhar a parte psíquica também!

Sem amor não há cura; sem transformação não há alquimia alguma.

Da base da coluna até o topo da cabeça, de um em um, enchendo os mesmos de luz e orando ao “Amor Que Ama Sem Nome”, com modéstia, lucidez e alegria serena.

Paciência na jornada. Ou, melhor dizendo, essa é a arte da “PAZ-CIÊNCIA”.

 
      Obs.: Pessoas em tratamento não devem abandonar seus medicamentos ou terapias por causa do trabalho com os chacras. Nos momentos de crise, é necessário procurar ajuda qualificada. Esse trabalho sugerido aqui é para aqueles que queiram colaborar no próprio processo de cura. Conhecer um pouco de si mesmo é sempre bom. Ajuda em qualquer coisa, desde que realizado com discernimento e consciência das coisas**.



 

CHACRAS E CURA PSÍQUICA II
por Wagner Borges

Cada chacra é uma janela para o invisível; um verdadeiro portal psicofísico que, freqüentemente, troca energias com outros planos de manifestação.

O chacra do topo de cabeça - chamado de chacra da coroa - é uma verdadeira festa de luz! É o centro energético que está ligado com a expansão da consciência e a multidimensionalida de.

É o chacra que sinaliza o caminho da evolução sideral; aponta para outras etapas do desenvolvimento do homem, para as estrelas e para o infinito, que começa a se esboçar no topo da cabeça, através das idéias maiores que surgem, pelo contato excelente com outras consciências que já vivem esse momento infinito.

É o centro pelo qual vêm às idéias avançadas e o contato com seres que não têm mais a forma humanóide. É a bússola espiritual na navegação sideral, que sinaliza a direção evolutiva do homem para outros orbes e para outras estrelas.

É o chacra que liga a consciência humana com a Consciência Universal!

O chacra da testa – frontal - é o centro da responsabilidade, pelo qual se aprende e se guarda na memória as informações.

É o chacra da visão espiritual, da intuição, da percepção, do conhecimento e da síntese intelectual. Ao mesmo tempo, é o chacra que suaviza a energia dos olhos.

É, por excelência, um sol na testa! E, suavemente, irradia luz para dentro dos olhos e é capaz de descansar a mente.

Porém, nos dias atuais, é um chacra sobrecarregado de tensões, pensamentos e excessos, funcionando de forma muito acelerada. No entanto, essa aceleração é artificial, motivada pelas luzes transitórias do mundo e pelo conhecimento parcial das coisas.

É necessário pensar no centro frontal, também, como um centro de descanso da mente, como um sol, que não apenas pulsa de dentro para fora, mas também para dentro dos olhos, para limpar a tela mental e suavizar a mente.

Esse chacra é capaz de carinho profundo!

O chacra da garganta – laríngeo - é, por excelência, o centro da comunicação e da mediunidade. É o centro artístico da expressão!

Está ligado à sensibilidade mediúnica, que capta a criatividade vinda de outros planos e de outras consciências.

Como é o centro da comunicação, sofre toda a repercussão da mesma. E, como é um centro situado entre a cabeça e o peito, sofre repercussão dos outros centros, constantemente. Por isso os grandes iniciados sempre ensinaram sobre o silêncio, para manter esse centro conservado. Aquele silêncio que capta a criatividade e melhora a expressão.

Esse é outro centro sobrecarregado pela correria do mundo moderno e pela necessidade premente de estar acelerado.

A visualização de uma jóia incrustada no centro laríngeo favorece o descanso desse centro; favorece a meditação suave e seu equilíbrio energético.

O centro peitoral – chacra cardíaco - é, por excelência, o canal de toda transformação afetiva, em que o homem instintivo se transforma em espiritual.

É o centro alquímico verdadeiro!

A verdadeira transformação ocorre no centro cardíaco. Todo amor, toda qualidade afetiva, todo abraço, todo idealismo por algo melhor está no chacra do coração. Toda cura, todo toque terapêutico e toda assistência espiritual vibra nesse centro. Inclusive, é um chacra capaz de abraçar humanidades situadas em outros orbes.

É o centro que dissolve o egoísmo e o bairrismo planetário - o racismo, os preconceitos sexuais, sociais, econômicos e de qualquer espécie.

Esse centro é um sol peitoral que jamais poderá ser envenenado pelas péssimas vibrações da vingança. O ódio gera uma energia viscosa e escura, que adere no centro cardíaco como uma espécie de “piche consciencial” . Jamais permitam desejos de vingança acalentados! Por mais ocultos que eles estejam, são observados extrafisicamente. O sol peitoral não pode ser nublado pelas nuvens do ódio nem envenenado por maledicência alguma.

O centro abdominal – chacra umbilical - é, por excelência, o centro das emoções densas, misturadas com o processo da alimentação normal.

É um centro de grande vitalidade!

Também é altamente sobrecarregado pela tensão emocional. Porém, é um centro terno e suave para quem souber trabalhar com ele; para quem imaginar um sol umbilical! É como um sol suave e generoso, que vai se expandindo, não pela força, mas pelo sentimento, pela generosidade, que não está apenas no centro peitoral, também flui no centro umbilical, apaziguando os órgãos abdominais, toda a região da cintura e das costas e equilibrando as emoções mais densas.

É um centro de grande capacidade ectoplásmica!

E tem alta ressonância com as energias dos vegetais, com as energias do mar e do vento e com as energias da natureza em geral.

A energia verde é excelente para este centro - o verde esmeralda; o verde da natureza!

O centro sexual – chamado de chacra sacro - é, por excelência, o centro da reprodução. Também é o centro que traz toda a sensação corporal de calor ou de frio, através da pele. É o centro do prazer!

É também um centro altamente sobrecarregado, seja pela repressão sexual, ou por sua exacerbação.

É necessário visualizar um sol no baixo ventre - um sol branco, o mais brilhante possível -, para que limpe as formas mentais aderidas, não somente desta vida, mas de outras também, e de uma eventual sexualidade mal resolvida.

O centro da base da coluna – chacra básico – é a sede dos desejos mais densos.

Muitas vezes, esse chacra é como se fosse um menino. Ora, cheio de explosões emocionais em relação aos valores da terra; ora, tímido, com medo desses mesmos valores e da própria vida.

É um chacra muitas vezes minimizado em sua importância, por ser um centro que está na parte inferior do corpo. Entretanto, é um verdadeiro sol que sustenta o equilíbrio do corpo! E carrega o sangue de energia - a força vital planetária.

Nenhum dos sete centros pode ser menosprezado. Cada um tem a sua importância no contexto vital do Ser. Desde a base da coluna até o topo da cabeça, deve haver harmonia.

A base da coluna vibra, por excelência, na cor dourada - que é capaz de estabilizar o vermelho denso que vem da terra - harmonizando as outras energias e mantendo o equilíbrio do corpo saudável.

Os centros secundários têm relativa importância - como os centros energéticos dos pés -, por onde entra a energia planetária. Esses pés, que sustentam o equilíbrio do corpo e que seguram, muitas vezes, a tensão e o cansaço corporal, por todo um dia.

É necessário acender os chacras das plantas dos pés, como se fossem dois sóis branco- fluorescentes pulsando suavemente e dando-lhes a devida atenção - tratando os pés com respeito, amor e agradecimento.

Os chacras das palmas das mãos são centros, por excelência, do toque, da cura e da gesticulação, expressando idéias e sentimentos. São excelentes para dispersão de energias pesadas em torno, através dos diversos métodos de manipulação manual da energia.

Desde as plantas dos pés ao alto da cabeça, o mesmo ser brilhante, com todos os centros potencializados pela força da vontade, pela disciplina perene e pela consciência que trabalha.

Os chacras são centros de força vital!**

Por eles, são feitas leituras psíquicas e espirituais. Neles, seres de outros planos lêem tudo aquilo que vai dentro das energias de alguém. Seres que se apresentam com formas só de luz, sem a limitação da forma humanóide, quando observam o ser humano, como no presente momento, o fazem por esses chacras. Eles não observam a forma humana, mas os centros energéticos!

Os centros inferiores estão ligados a Terra: agradeça ao planeta, por hospedá-lo por mais uma vida!

Os centros superiores estão ligados ao Cosmos, ao qual se agradece toda a amplitude e novas oportunidades de conhecimento futuro.

O homem está entre o Céu e a Terra. É um elemento híbrido: veio das estrelas, mas ocupa um invólucro terrestre. Tem as duas naturezas em si mesmo: é filho da terra e é filho do espaço!

Deve saudar sua Mãe-Terra; deve saudar o Pai-Espaço! Tudo isso dentro do próprio coração.

 

                                                                       * * *

Quando pensar em alguém querido que partiu, selecione um dos sete centros principais e tente sentir aquela consciência por esse chacra.

Pode ser qualquer um dos centros principais, e isso varia de dia para dia, de acordo com as circunstâncias de vida de cada pessoa. Uma hora, você vai sentir isso no coração; outra hora, na testa. Portanto, é necessário entrar, de um a um, nesses chacras e perceber por onde é que você está mais sensível naquele momento.

Sempre focando a consciência no centro luminoso escolhido. E, ali, suavemente, asculte psiquicamente o universo à sua volta; perceba o que está no ambiente e eleve a vibração, para perceber algo a mais.

Pense na pessoa amada, sem dramas e sem emoções torpes. Pense num contato sadio de pessoas que se amam e que se abraçam e sorriem... E que se alegram no contato!

E, por aquele centro, sinta a presença do ser amado, que pode estar em um outro plano, ou até mesmo em um outro orbe. Mas há a conexão psíquica pelos chacras.

Essa é a chave mediúnica avançada: sentir psiquicamente pelos chacras; se comunicar e se ligar pelos centros vitais. É possibilidade de qualquer estudante espiritual, de qualquer nível. Demanda trabalho e esforço, porém é factível para qualquer pessoa dedicada.

Sempre lembrando que esse é um profundo mergulho de espírito. Deve haver amor! Deve haver elevação da consciência e objetivos nobres.

Se o contato for feito por apego, a tendência é que outras entidades entrem na corrente da comunicação e estraguem o processo. O contato precisa ser feito de alto nível, de consciência a consciência, para que ambas fiquem felizes, lá e aqui.

Chega de contato lacrimoso. Chega de dramas entre os homens e os espíritos. Chega de ilusão. O contato precisa ser saudável! Consciências avançadas com consciências avançadas, seguindo no caminho do infinito...

Nada de dramas no contato espiritual! É hora desse contato ser alegre, consciente e dinâmico. É hora de vocês apertarem as mãos uns dos outros, entre planos - abraçarem uns aos outros. Mesmo que os corpos – denso e sutil -, não sejam mais compatíveis, os chacras o são. E, pela ligação energética e psíquica entre eles, daqui e de lá, é feita a conexão.

                                                                       * * *

Nenhum iniciado sadio foi contra o exercício da mediunidade nos tempos antigos. O que sempre se alertou foi sobre o contato inquieto e aflitivo com as entidades extrafísicas dramáticas e trevosas.

E, conhecendo o ser humano e seus apegos, é mais do que certo que contatos elevados não se darão facilmente; não enquanto o ser humano não transcender os limites dos sentidos e das emoções grossas.

Se o contato for através de perspectivas avançadas, nada poderá interpor-se entre as consciências. Mas que esse contato seja por objetivos nobres e que, inclusive, realize trabalhos de assistência espiritual no processo.

Que não seja um contato por curiosidade ou por mediocridade. Que seja de consciência a consciência. Ou, como diziam os antigos mestres: de coração dourado a coração dourado... Para que tudo brilhe!

Na Terra ou no Espaço, que tudo brilhe!
E que os homens, da Terra ou do Espaço, sejam felizes!
Tanto os que estão na carne, quanto os que estão fora dela.

 - Os Iniciados*** –
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges.)

 

- Notas: * Esses escritos são a transcrição de gravações de mensagens psicofônicas recebidas dos mentores extrafísicos, durante uma reunião do grupo de estudos e assistência espiritual do IPPB.

** Tradicionalmente, dentro de estudos espiritualistas ocidentais, quando se faz uma correlação dos chacras com as cores, se utiliza a classificação de cores oriunda da refração da luz no espectro, na seguinte sequência:

- Vermelho / chacra básico;

- Laranja / chacra sexual;

- Amarelo / chacra umbilical;

- Verde / chacra cardíaco;

- Azul celeste / chacra laríngeo;

- Índigo / chacra frontal;

- Violeta / chacra coronário.

Contudo, essa correlação não é absoluta, pois os chacras mudam de cores de acordo com os pensamentos e sentimentos da pessoa. Aqui nesse estudo a visualização das cores está relacionada ao ponto de vista extrafísico dos mentores espirituais sobre o tema. As cores sugeridas por eles são úteis para as condições específicas que eles apontaram na comunicação. Ou seja, são visualizações direcionadas às cores que equilibrariam melhor os chacras sob certas condições.

*** Os Iniciados - grupo extrafísico de espíritos orientais que opera nos planos invisíveis do Ocidente, passando as informações espirituais oriundas da sabedoria antiga, adaptadas aos tempos modernos e direcionadas aos estudantes espirituais do presente.

Composto por amparadores hindus, chineses, egípcios, tibetanos, japoneses e alguns gregos, eles têm o compromisso de ventilar os antigos valores espirituais do Oriente nos modernos caminhos do Ocidente, fazendo disso uma síntese universalista. Estão ligados aos espíritos da Fraternidade da Cruz e do Triângulo. Segundo eles, são “iniciados” em fazer o bem, sem olhar a quem.

Obs.: Enquanto digitava essas linhas, lembrei-me de um excelente texto dos sábios mentores espirituais Rama e Ramatís, em que eles falam sobre esse mesmo tema. Então, reproduzo o mesmo na sequência.


 

VEÍCULOS DA ALMA
por Wagner Borges

Os antigos ocultistas costumavam utilizar uma analogia bastante interessante para simbolizar a inter-relação energética dos veículos de manifestação da consciência - os corpos energéticos do homem.

Utilizando-se de um método iniciático denominado de "analogia dos contrários", baseado na lei dos ternários - composição musical de três tempos iguais -, esses iniciados do passado representavam esotericamente o corpo astral como um cavalo atrelado a uma carroça, que, por sua vez, é controlada e conduzida pelo cocheiro.

Nessa analogia ocultista, podemos confeccionar o seguinte quadro de idéias:

A carroça é o corpo físico.
O cavalo, fogoso e impulsivo, é o corpo astral com as suas paixões.

O cocheiro é o corpo mental, sede da consciência, que tem por obrigação guiar o cavalo, para que ele puxe a carroça adequadamente até o lugar de destino.

Se aplicarmos este esquema ocultista no estudo dos corpos energéticos do ser humano, podemos fazer uma associação de idéias bastante interessante, exposta da seguinte maneira: normalmente, durante a vigília física, o corpo astral, interpenetrado no corpo físico, sofre uma redução do padrão vibratório de suas partículas energéticas.

Quando uma pessoa se descontrola emocionalmente, há um desarranjo na vibração dessas partículas energéticas astrais, o que acarreta certa turbulência energética no sistema nervoso, pois o duplo etérico - matriz energética do cordão de prata -, que é o filtro energético entre o corpo astral e o corpo físico, absorve toda essa descarga astral-emocional para dentro de seus vórtices vibratórios, denominados de chacras, que, por sua vez, descarregam todo o fluxo energético no conduto espinal, nos plexos nervosos e nas glândulas endócrinas. Isso ocasiona sérios transtornos no campo energético, que, na tentativa de exaurir a carga deletéria vinda do corpo astral, termina por amortecer a própria vibração, criando assim, intensos bloqueios energéticos que enredam demasiadamente o ser espiritual na carne.

É óbvio que numa situação dessas não há como existir um bom progresso na senda espiritual. É imprescindível que haja um ótimo controle mental para dominar as descargas emocionais que emanam do corpo astral.

Pois foi baseando-se nisso que os antigos ocultistas criaram o seu sistema analógico de idéias, que pode ser bem simples na aparência, mas é dotado de um poder de síntese impressionante. Podemos mostrar isso do seguinte modo:

Se o cavalo (corpo astral) descontrolar- se e sair do domínio do cocheiro (corpo mental) pode acabar levando a carruagem - corpo físico - para fora da estrada e mergulhar no fundo do abismo.

O intermediário entre o cocheiro (corpo mental) e o cavalo (corpo astral) são as rédeas, que representam esotericamente o cordão de ouro (laço energético sutil que prende o corpo mental no corpo astral).

O cavalo (corpo astral) está conectado à carroça (corpo físico) por meio de arreios e cordas, que representam esotericamente o cordão de prata - laço energético denso que conecta o corpo astral ao corpo físico.

Logo, resumindo todas essas idéias, podemos dizer que o condutor (corpo mental) consciente é aquele que, através da vontade firme, forjada na mais pura disciplina espiritual, domina com a inteligência e os bons sentimentos o "fogo emocional" do seu cavalo (corpo astral) e conduz a sua carruagem (corpo físico) com estabilidade até o seu destino glorioso, a "estação da consciência imortal".

- Rama -

                                                                       * * *

 Ao finalizar este trabalho, no qual muito se falou do corpo astral, que em algumas ordens esotéricas é chamado apropriadamente de "corpo emocional" ou "corpo dos desejos", não podemos deixar de assinalar que qualquer descarga emocional afeta diretamente os chacras submetidos à área emocional, a saber: os chacras umbilical, cardíaco e laríngeo.

Dependendo da frequência e da intensidade com que esses chacras são agredidos pelo desequilíbrio emocional, formam-se, na "placa astral-peitoral" da pessoa, bloqueios energéticos bastante densificados, que impedem a livre circulação das energias vitais nessa região. O efeito disso é a proliferação de sintomas, tais como: taquicardia, tosse, pressão no peito, angústia, ou depressão sem motivo, peso nas costas, irritação sem motivo, respiração opressa, vontade de chorar sem motivo e desvitalização geral.

Levando-se em consideração esse quadro patológico "astral-físico", podemos dizer que as pessoas desequilibradas emocionalmente são portadoras de "mofo espiritual" dentro do peito. Ou, como mostra a tradição ocultista, tem um "cavalo louco" (corpo astral) quebrando a carroça (corpo físico).

É necessário então, uma catarse espiritual ou um desbloqueio emocional, que consiste em uma "lavagem energética" da placa astral-peitoral da pessoa, removendo, por meio de um fluxo energético positivo, os "fungos psíquicos" aderidos ao campo emocional.

Na área espiritualista existem ótimos remédios contra a proliferação dos fungos emocionais. São eles:

- concentração;

- meditação;

- ativação dos chacras;

- exercícios de ativação energética.

Porém, sem dúvida que o melhor remédio contra qualquer distúrbio emocional é a "PAZ" no coração e a "LUZ" nas idéias.

Paz e Luz!

- Ramatís -

 (Texto recebido espiritualmente por Wagner Borges - Extraído do livro "Viagem Espiritual- I" – Editora Zennex.)   

- Notas:

* Para mais informações sobre a natureza e a projeção do corpo mental, ver capítulos específicos no meu livro “Viagem Espiritual II” – disponibilizado gratuitamente no site do IPPB – www.ippb.org. br.

Também recomendo a leitura de um relato projetivo meu, onde narro uma experiência no plano mental. O título do mesmo é “Uma Viagem espiritual na Casa das Estrelas”, e pode ser acessado também no site do IPPB, no seguinte endereço específico:

http://www.ippb. org.br/modules. php?op=modload&name=News&file=article&sid=2797  


 

VIAJANDO ESPIRITUALMENTE PELOS CHACRAS
(Prece ao Senhor dos Olhos de Lótus)
por Wagner Borges

Krishna, obrigado pela oportunidade de servir espiritualmente, mais uma vez.
Abençoe essa jornada de trabalho espiritual e ilumine nossas consciências.
Seja o comandante sutil de nossos chacras*, da base da coluna ao alto da cabeça.
Que a luz de nossas mãos seja a Sua luz!
Que o templo secreto de nossos corações seja a Sua morada.
Govinda**, abençoe essa jornada, para que a egrégora*** desses trabalhos e estudos possa irradiar o bem para todos os seres.
Sozinhos, até podemos fazer algumas coisas boas, mas com muito esforço.
Contudo, com Você junto, o esforço se transforma em alegria, e tudo vira sol.
Então, sentimos a luz celeste aumentando nossos potenciais e inspirando nossos corações.
Gopala, com Você o serviço fica lindo e nossos chacras se abrem como lótus espirituais.
E os espíritos tristes se soltam na luz, de volta para casa, envolvidos no Seu carinho.
Senhor dos olhos de lótus, que os nossos chacras se abram, suavemente, nas ondas do Seu amor.
E que nossa jornada seja auspiciosa, mais uma vez.
Que, por onde formos, tudo melhore, dentro e fora de nós.
Que os nossos pensamentos, os nossos atos e os nossos passos sejam Seus, querido amigo.
Krishna, muito obrigado, por tudo.

P.S.:
Esses escritos foram feitos momentos antes de um curso de Aura e Chacras, realizado no IPPB. Enquanto eu fazia uma pequena meditação, antes de começar a aula, vi um dos mentores da equipe extrafísica de Krishna. Ele me saudou e passou-me uma energia maravilhosa. Então, tocado pela inspiração do coração, fiz essa prece em homenagem ao senhor dos olhos de lótus e protetor dos trabalhos espirituais, a quem devo tanto. Depois, li o texto para a turma de 60 alunos presente, para compartilhar com eles a alegria do momento. E, agora, estou disponibilizando esses escritos para todos. São bem simples, mas de grande coração.

Paz e Luz.
 

- Notas:
* Chacras – do sânscrito – rodas de luz; vórtices energéticos na aura.
** Govinda e Gopala - são epítetos de Krishna, considerado como o “Pastorzinho divino”, que tangencia os seres na direção da Bem-Aventuranç a (ananda), e da consciência cósmica (o samadhi, a expansão da consciência, muitas vezes associada ao despontar da aurora dissolvendo as trevas – o ego - e fazendo a atmosfera dançar na luz).
Govinda e Gopala também são considerados como mantras de dissolução de climas psicofísicos densos. Trazem alegria e espantam as confusões e equívocos.
*** Egrégora - do grego “Egregorien”, que significar “velar”, “cuidar” - é a atmosfera coletiva plasmada espiritualmente num certo ambiente, decorrente do somatório dos pensamentos, sentimentos e energias de um grupo de pessoas voltado para a produção de climas virtuosos no mundo.
É a atmosfera psíquica resultante da reunião de grupos voltados para trabalhos e estudos baseados na LUZ. Pode-se dizer que toda reunião de pessoas para a prática do Bem e da Virtude - independentemente de linha espiritual - forma uma egrégora específica, uma verdadeira entidade coletiva luminosa, à qual se agregam várias outras consciências extrafísicas alinhadas com aquela sintonia espiritual para um trabalho interconsciencial.
Provavelmente foi por isso que Jesus ensinou: "Onde houver dois ou mais em meu nome, aí eu estarei."
Muitos dizem que não se deve misturar egrégoras de trabalhos diferentes, porém, quando o Amor se manifesta, desaparece qualquer ideologia doutrinária, e só fica o que interessa: a LUZ.
O dia em que os homens despertarem para climas mais universalistas e cosmoéticos, com certeza esse mundo será melhor de viver.
Viva a LUZ, pouco importa o nome, o grupo ou a doutrina que fale dela. E viva os mentores espirituais que ajudam a todos, independentemente de credo, raça ou cultura esposada.


 

CURADORES ESPIRITUAIS - OS AGENTES DO ALTO!

Os melhores curadores são discretos em seu trabalho.
Eles calam o ego e deixam o coração fluir o amor sereno...
O toque de suas mãos é gentil e generoso.
Eles têm mãos de Luz!

Pelo alto de suas cabeças desce a sabedoria celeste.
Ao mesmo tempo, a vitalidade da terra beija seus pés.
Enquanto isso, as pétalas dos lótus de seus corações se abrem...
E eles se tornam templos vivos da Luz que cura!

Eles são tranquilos e conscientes de suas tarefas.
Eles sabem que é a luz do amor que cura, não eles.
São naturalmente contentes, e os seres divinos velam por eles.
Eles são Paz perene!

Não carregam posturas arrogantes; são simples e alegres.
São muito gratos ao Grande Espírito, o Grande Curador.
Transitam pela existência sem julgar ninguém.
Eles são da Luz serena!

Eles são curadores, dos outros e de si mesmos.
Trilham seus caminhos sem jamais infelicitar os caminhos dos outros.
Não se magoam com coisa alguma, pois são felizes.
Os seus atos são lúcidos!

Ah, esses curadores, lindos e tranqüilos, que surfam na luz!
São estrelas na carne, agindo em nome do Alto.
Muitas vezes, quietinhos, eles abraçam a humanidade.
Eles nada esperam, só abraçam a alma do mundo.

Sim, eles nada esperam, só agradecem ao Grande Curador.
Eles sabem que há um tempo certo para cada coisa.
Por isso eles trabalham, no tempo certo de seus corações.
Eles sabem que todo momento é tempo certo de aprender...

Eles estão no mundo igualmente com todos, mas há colunas de luz sobre seus caminhos.
Muitas vezes, eles sentem a dor do mundo, em si mesmos.
Nesses momentos, eles se recolhem na prece e haurem forças no Alto.
E vibram as mãos cheias de luz, sob o comando do coração.

Não há orgulho em seus rumos, só satisfação serena.
Não há contendas nem competições em seus caminhos, só cura.
Eles caminham no Darma*, como o Alto lhes incumbiu.
E eles sabem que só o Grande Curador sabe o que está em seus espíritos.

Eles são conscientes de que, melhorando os outros, os seus nós cármicos** se dissolvem na luz...
Melhorando os homens, eles também melhoram a si mesmos, e todo mundo cresce.
Eles sempre agradecem aos anjos da cura, pela inspiração no trabalho.
E, eles sempre dizem, contentes: “Senhor, nada é meu, tudo é Seu. Inclusive eu!”

 

P.S.:
Eles são curadores e agentes da cura interdimensional.
Estão na carne, mas são estrelas.
Curam invisivelmente os homens e os espíritos e, também, a si mesmos.
Eles são da Luz!

 

Om Sinha Ganapati!***

(Esses escritos são dedicados a Paramahamsa Ramakrishna, a quem devo muito e a quem dedico também essas palavras de admiração e respeito:

“Sou como um garoto nas mãos de Ramakrishna.
Ele é o vento de amor espiritual, e eu sou a folha arrastada pelo seu Karuna (compaixão).
Sua paz me envolve, e sou impelido a canalizar idéias espirituais.
Meu coração brilha sob o seu influxo, e passo, eu mesmo, a ser um vento espiritualista a arrastar outras folhas na direção da Luz Maior”.   

Wagner Borges – apenas um pequeno vento espiritualista na Terra.

 

- Notas:

* Darma (do sânscrito “Dharma”) - dever, missão, programação existencial, mérito, benção, ação virtuosa, meta elevada, conduta sadia, atitude correta, motivação para o que for positivo e de acordo com o bem comum.

** Cármicas – do sânscrito Karma: ação, causa - toda ação gera uma reação correspondente; toda causa gera o seu efeito correspondente. A esse mecanismo universal os hindus chamaram carma. Suas repercussões na vida dos seres e seus atos podem ser denominados de consequências cármicas.

*** Om Sinha Ganapati (do sânscrito) – esse é um mantra evocativo de uma das divindades mais queridas dos hindus: Ganesha, o filho de Shiva e Parvati; o deus com cabeça de elefante. É considerado o removedor dos obstáculos. Um de seus mantras mais conhecidos é “Om Ganeshaya Namah!”

Muitas vezes, ele é evocado com um dos seus epítetos: Ganapati, o Senhor dos mundos inferiores e removedor dos obstáculos espirituais e energéticos. Nesse caso, o mantra ficaria assim: “Om Ganapatiya Namah!”

Aqui ele está sendo evocado como “Om Sinha Ganapati!”.

O Om é a vibração interdimensional do TODO que está em tudo; é considerado o Verbo Divino, a Palavra de Poder de Brahman.

Sinha significa “Leão”. Na tradição hinduísta há um avatar de Vishnu (Narayana, o Divino Preservador) chamado de “NaraSinha” (do sânscrito “Nara”: homem; “Sinha”: leão). Dentro desse simbolismo significa o “Homem-Leão”. Ou, melhor dizendo, “Aquele que tem a força do leão”.

Na cosmogonia hinduísta, Vishnu teve que tomar a forma de um homem-leão para destruir um demônio que estava atormentando a todos. Daí o contexto de força atribuído àquela manifestação divina, como um homem-leão dotado de poder descomunal, para detonar o mal.

Aqui no texto o mantra evoca a força conjunta do leão (Sinha) e do elefante (Ganesha). Ou seja, dupla força para detonar e remover a inércia e as energias pesadas e abrir o coração para a Luz Divina.

É aí que entra esse mantra Om Sinha Ganapati no contexto desses escritos sobre curadores espirituais. É um dos mantras que eu havia escolhido para passar para a turma do curso Om Sattva (curso de Hinduísmo e práticas espirituais) . Enquanto eu concentrava luz branca no meu chacra frontal, surgiu um amparador do grupo extrafísico “Os Amigos de Ramakrishna” e me sugeriu a utilização desse mantra para limpeza do campo energético. E ainda me disse que era dia de Ganesha e me passou algumas dicas pessoais (depois eu fiquei sabendo que os hindus estão comemorando a semana de Ganesha por esses dias).  

Logo a seguir, envolvido e inspirado pelas energias dessa atmosfera espiritual maravilhosa, escrevi esse texto sobre os curadores espirituais. Espero que seja útil e inspire a outros estudantes espirituais, independentemente da linha espiritual escolhida. O importante é fazer o bem sem olhar a quem. E ser feliz!

Detalhe adicional: informações sobre “Os Amigos de Ramakrishna” - é um grupo de amparadores extrafísicos ligados aos ensinamentos universalistas de Paramahamsa Ramakrishna. Na verdade, são meus amigos de outras vidas e, de vez em quando, aparecem para matar a saudade e dar uns toques espirituais legais.

Certa vez, um deles me disse: "Sair do corpo é fácil. Difícil é ficar em paz, dentro ou fora do corpo."

Eles também me ensinaram essa verdade: "Dias ruins não são aqueles de tempestade, que até limpam a atmosfera de fora, mas aqueles dias em que permitimos as pesadas nuvens da mediocridade toldando o céu do coração, dentro de nós mesmos".

Agradeço a esse grupo de amigos pela amizade e pelos toques conscienciais pertinentes, que sempre me ensinam muito.

Obs.: Paramahamsa Ramakrishna foi um mestre iogue que viveu na Índia do século 19 e que é considerado até hoje um dos maiores mestres espirituais surgidos na terra do Ganges. Para se ter uma idéia de sua influência espiritual, posso citar que grandes mestres da Índia do século 20 se referiram a ele com muito respeito e admiração, dentre eles o Mahatma Ghandi, Paramahamsa Yogananda e Rabindranath Tagore.

Outro detalhe: ainda sobre o Ganesha, há um texto alusivo a ele em minha coluna do site do IPPB – www.ippb.org. br. O título do mesmo é “Rompendo a Barreira do Passado - I e II”, e pode ser acessado no seguinte endereço específico do site:

http://www.ippb. org.br/modules. php?op=modload&name=News&file=article&sid=3561


 

  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Google+ - White Circle
Conectando seu coração à luz da espiritualidade!
Logo_Lótus_Espiritual.png